A Vaca e o Porco

O ano novo é um momento em que muitas pessoas fazem planos de mudança de vida. Por isso eu creio que este vídeo é mais do que oportuno.


Certa vez, um homem rico queixou-se a um amigo:

— Por que será que todos estão sempre me criticando por ser avarento, se eles sabem que vou deixar tudo o que possuo para os pobres quando eu morrer?

Após uma pausa, o amigo disse:

— Acho que é o mesmo que a história da vaca e o porco.

— Como assim? — perguntou o homem rico.

O amigo disse:

— Conta-se que um porco estava se queixando a uma vaca por ser muito impopular. “As pessoas estão sempre falando de sua bondade e de seus meigos olhos castanhos”, disse o porco.

“De mim, elas só falam mal. Isso parece muito injusto. Claro, você fornece leite, mas eu forneço muito mais. Forneço bacon e presunto. Forneço cerdas. Até meus pés as pessoas deixam em conserva! Mesmo assim, ninguém gosta de mim. Por quê?” A vaca pensou por alguns instantes e respondeu: “Bem, talvez porque forneço o meu produto enquanto estou viva”.

Não aja igual ao porco da história. Permita H O J E que as pessoas enxerguem seus dons como uma extensão da sua vida. Nós devemos fazer diferença H O J E por onde passamos e estamos. O mundo deve lamentar a nossa morte. Mas, A N T E S dela, as pessoas devem dizer que o mundo ficou melhor desde que nele viemos viver.


Interessante, as pessoas costumam dizer ao lado do caixão do falecido:

— Nossa, ele era tão bom!

— Ainda ontem vi ele na rua!

— Ele ajudava tanta gente!

Mas, por que dizer isso somente agora para o falecido? Por que você não disseram A N T E S todas essas coisas? Entende o quero dizer com fazer a diferença H O J E na vida das pessoas? Depois que elas morrerem... bem, elas morreram e perdemos a chance de dizer tudo o que de bom víamos nelas. Ou seja, deixamos passar a ocasião.


Jesus não fez diferença apenas após a sua morte; quando ainda em vida transformava pessoas, corpos e mentes, e assim também foi com seus seguidores. O exemplo do apóstolo João, chamado na Bíblia de o 'filho do trovão' por causa do seu temperamento sanguíneo, e o do exaltado apóstolo Pedro são bastante significativos: ainda em vida fizeram diferença na vida de muita gente, embora fossem bastante problemáticos.


Ouço muitos falarem: 'Do jeito que sou, não consigo'. Se é assim, então Pedro não conseguiria também. João, idem. Ambos eram pessoas simples, incultas e pobres, mas seus escritos até hoje fazem a alma cantar. Como puderam chegar a tanto?


Querendo. É, querendo. Fazendo força, dominando a carne, esforçando-se, amando o próximo no momento em que se deseja fazer exatamente o inverso — coisas assim.


É em vida que a gente transforma a nossa vida e também o ambiente ao nosso redor. Por isso, não protele: mude hoje; esforce-se hoje; ame hoje; peça hoje o perdão pelo erro de ontem. E a vida mudará. Quando Paulo escreveu em Romanos 12:2: 'Não vos conformeis com a vossa vida, mas transformai-a pela renovação das vossas mentes', ele falava em bem mais do que uma possibilidade: falava de uma realidade.


Aos 12 anos eu capinava na roça. Anos depois eu estudava na França. Mas, para tanto, estudei francês sozinho, aprendi boas maneiras para saber como mexer com todos aqueles copos e talheres, aprendi os costumes do país e fui me aculturando, pegando o jeito deles para sair-me o melhor possível na empreitada. Foi fácil? Nossa, foi difícil, e como! Mas, consegui. A mente bem-intencionada consegue tudo o que quer. Está escrito em Marcos 9:23. E aí? Vamos encarar? Até o próximo post.

25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O tema de hoje é um pouco espinhoso, dado os sentimentos que o povo nutre pelas autoridades brasileiras. Não raro, ouvimos pessoas falando mal do executivo, do judiciário, do legislativo — tanto no ní

Paz, tranquilidade, descanso... Não são coisas que desejamos ardentemente em nossas vidas? Por exemplo, deitar em paz e dormir, levantar com a alma tranquila e tocar a vida? No evangelho de Mateus 11:

A água começava a entrar em ebulição. E eu contemplava pensativo aquela chama azulada aquecendo o bule. O chiado da fervura me fazia pensar na mudança que os corpos sofrem ao serem limpados das suas i